35% da água no Distrito Federal é desperdiçada

111209_f_017
Foto: Google

Desde o início do ano, o Distrito Federal passa por racionamento e rodízio de água nas cidades que são atendidas pela represa do Descoberto que está em baixa, operando com menos de 20% de sua capacidade. Escassez de chuvas em 2016 e falta de planejamento, estão entre as principais causas no abastecimento da região.

Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), do Ministério das Cidades, divulgaram que 35,1% da água distribuída na região é desperdiçada. Isso significa que mais de um terço da água que sai das represas, se perde no caminho por problemas de vazamentos, falhas na tubulação, fraudes e até roubo.

O desperdício é um problema recorrente em todo território nacional. O Amapá, por exemplo, desperdiça 72% da água distribuída, enquanto que no Distrito Federal apresenta um índice melhor do que a média desperdiçada em todo país (37%). Goiás apresenta o menor índice de perdas (30%). São Paulo, que recentemente passou por forte crise hídrica, perde 33% da água, uma pequena melhora em relação ao auge da crise, quando o índice estava em 34,3%.

Racionamento por tempo indeterminado

Ainda não se sabe por quanto tempo o racionamento de água no Distrito Federal irá durar, mas desde que passou a adotar essa medida, na semana passada, a capital federal deixou de gastar 550 litros de água por segundo. Números bem acima da expectativa que era de que a redução no consumo fosse de 10%, porém, o número chegou a 14%. Os dados são da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb). Ainda assim, não há previsão para o fim do racionamento. Segundo o presidente da Caesb, Maurício Luduvice, o objetivo é preparar para o próximo período de seca.

Emmanuel Tomaz, com informações do Blog do Planeta.