csm_31012018vl2231_3146fd7b0a

Projeto de Gestão de Água (PGA) já registrou uma redução de 66% no consumo. (Foto: Divulgação)

O consumo mensal de água é uma das principais pedras no sapato de qualquer condomínio, sobretudo em edifícios mais antigos, onde a cota é compartilhada entre os moradores. Especialistas estimam que vazamentos e outros problemas na rede hidráulica, além do consumo irresponsável, podem aumentar a fatura de água em até 40%. O CORREIO separou algumas dicas para reduzir o desperdício e otimizar o consumo.

Atualmente, a principal opção para solucionar o problema é a individualização de hidrômetros. A intervenção possibilita a determinação do consumo real de água de cada morador, evitando o desperdício e auxiliando no consumo consciente.
Natanael Ferreira, que é síndico de um condomínio no Cabula, vem estudando a individualização da água há algum tempo por solicitação dos próprios condôminos. No entanto, o fato da mudança impactar inicialmente num reajuste das contas para comportar a obra tem feito com que os moradores adiem um pouco esse desejo.

“O principal problema da cota compartilhada é que um morador que vive sozinho, trabalha durante o dia todo e tem um consumo mínimo, acaba pagando o mesmo preço que uma família de cinco pessoas que gasta muito mais água”, explica, acrescentando que chegou a realizar alguns orçamentos. “Eventualmente faremos, mas é preciso ter recurso em caixa para um investimento desse porte”.

Economia Alternativa

O serviço de individualização de hidrômetros gera economia, mas para implementá-lo requer um investimento que nem todos podem estar dispostos a pagar. Uma alternativa para reduzir os custos antes de uma intervenção mais cara é fazer uma reserva financeira economizando com a atual estrutura.

O diretor da TRC Sustentável, empresa especializada na consultoria para redução de consumo de água, Vanderlei Amorim já conseguiu reduzir em 66% o gasto da água de alguns clientes através do Projeto de Gestão de Água (PGA). “O primeiro passo é analisar a fatura de água para verificar se há um consumo fora do normal. Em seguida, realizamos uma vistoria completa para identificar vazamentos ou problemas no prédio. E só depois desse diagnóstico é que partimos para a ação”, explica.

O uso de restritores de vazão e controladores de pressão, segundo Vanderlei, acaba com os famosos “ladrões de água”, facilitando com que o consumo chegue no nível ideal. “Conseguimos reduzir a conta de um condomínio de R$ 30 mil para R$ 10,7 mil. A economia feita durante um ano pode gerar o recurso necessário para custear a obra de individualização dos hidrômetros, sem necessidade de aumento para os moradores”.

Alternativas para economizar

Vazamentos: problemas na rede hidráulica e consumo irresponsável aumentam a fatura de água em até 40%

Instalação de hidrômetros: possibilita determinar o consumo de cada morador, evitando o desperdício e auxiliando no consumo consciente

Uso de restritores de vazão e controladores de pressão: acabam com os “ladrões de água”, fazendo com que o consumo chegue no nível ideal

Fonte: Correio*